Notícias

GRANDE PRÉMIO DE PORTUGAL 2016, UMA EDIÇÂO ÉPICA

A “lenda” HONG KONG BOY, montado pelo jóquei Marino Gomes, conquista pela segundo ano consecutivo a vitória no Grande Prémio de Portugal de Galope, por sua vez, VENDREDI DE LOISEL, conduzido por Fábio Fernandes, conquista a vitória no Grande Prémio de Portugal de Trote Atrelado. Esta reunião era destinada a cavalos fundistas, com provas com distâncias mais longas.

A décima nona edição do Grande Prémio de Portugal de Corridas de Cavalos a Galope e Trote Atrelado, da Liga Portuguesa de Criadores e Proprietários de Cavalos de Corrida, realizou-se no passado dia 4 de Setembro, no Hipódromo Municipal da Maia, em Silva Escura e foi uma reunião que se pode considerar épica, onde tudo correu da melhor forma, num bonito dia de sol, num hipódromo sempre em evolução cheio de público entusiasta e com provas muito bem disputadas com cavalos, jóqueis e drivers de alta qualidade.

Foi um dia excelente, o clima ajudou com uma temperatura típica de verão que atraiu a Silva Escura cerca de três mil espectadores que vibraram entusiasticamente nas sete provas disputadas, quatro de galope e três de trote atrelado. Os pontos altos desta reunião, foram as provas mais importantes do ano, quer de galope, quer de trote atrelado, o Grande Prémio de Portugal. Tradicionalmente são provas de alta qualidade, pois só os melhores se podem inscrever e se em galope o conjunto vencedor não foi uma surpresa, tanto o cavalo como o jóquei têm múltiplas vitórias e uma boa carreira no estrangeiro, já na prova de trote atrelado o vencedor não era à partida considerado favorito, pois quer as quadras espanholas, quer as portuguesas com maior palmarés seriam difíceis de bater, mas não foi o caso, pois Fábio Fernandes conduziu com grande maestria até à vitória.

Muitas foram as individualidades que estiveram presentes nesta reunião, entre as quais o presidente e vice-presidente da Câmara Municipal da Maia, respectivamente Bragança Fernandes e Silva Tiago; o vereador Hernâni Ribeiro, responsável camarário pelo Hipódromo Municipal da Maia; Américo Soares, presidente da Coperativa Agrícola da Maia; José Alberto Sarmento, presidente da Junta de Freguesia Nogueira e Silva Escura; Fernando Leite, administrador delegado da “Lipor”, a representar a “Betclic” João Caboz , responsável pelo mercado português e Francisco Pombo Fernandes, do departamento de marketing; Mário Barbosa, da Direção Geral de Alimentação e Veterinária; Nuno Salvador, representante do diretor geral da Direção Geral de Alimentação e Veterinária; Nuno Vieira e Brito, da Escola Superior Agrária do Instituto Politécnico de Viana do Castelo e ex-secretário de estado responsável pela atual legislação sobre as corridas de cavalos e as apostas hípicas; José de Freitas, um dos fundadores e primeiro presidente da Liga; Mara Blanco, do departamento internacional da Pari Mutuel Urbaine (PMU); Emília Santos, deputada da Assembleia da República; Sandra Lameiras, chefe de gabinete da secretária de Estado adjunta da Administração Interna Isabel Oneto; Paulo Lopes, do Turismo de Portugal e diretor do departamento de Planeamento e Controlo da Atividade do Jogo e Raquel Almeida, diretora da Administração Geral do Turismo do Porto e Norte de Portugal.

Estavam também presentes representantes de outras entidades de apostas online, potenciais investidores nacionais e estrangeiros, fundadores e ex-membros da primeira Direção da Liga e altos cargos de empresas de relevo maiatas, patrocinadoras desta prova.

O Grande Prémio de Portugal de Trote Atrelado, com uma distância de 3000 metros, foi a quarta corrida do dia. VENDREDI DE LOISEL, um macho de sete anos de origem francesa, conduzido pelo driver Fábio Fernandes, da Quadra PEC-Nature de Vizela, levou a melhor sobre os seus concorrentes, tornando-se no vencedor do Grande Prémio de Portugal de Trote Atrelado. Na segunda posição ficou UNKIAR, conduzido por Ricardo Duarte, da Quadra Quinta Santa Justa, seguido por OTTO DE TOUCHYVON na terceira posição, conduzido por António Bessa, da Quadra Mustang e na quarta posição PEON FOR CLARA, da Quadra Casa Nova.

A prova mais aguardada desta jornada, o Grande Prémio de Portugal de Galope, com uma distância de 2400 metros, foi a quinta corrida do dia. HONG KONG BOY, um macho de dez anos de origem francesa, montado pelo jóquei Marino Gomes, da Quadra Quinta Santa Justa, da Maia, conquistou pela segunda vez consecutiva a vitória no Grande Prémio de Portugal de Galope. SKY BELLE, montado por Nelson Santos, da Quadra Star Jovem, ficou na segunda posição. De referir que os dois jóqueis que ficaram nos dois primeiros lugares estão a fazer uma carreira predominantemente no estrangeiro e isso nota-se na sua experiência. INNUENDO, montado por Ricardo Ferreira, da Quadra CELV e SAMSARA, montado por Filipe Vaz, da Quadra Stand Carmo ficaram respectivanmente na terceira e quarta posição.

Nesta época voltaram as provas de Puro-Sangue Inglês de Origem Nacional, isso deveu-se ao crescimento de nascimentos do número de cavalos e que entretanto ficaram prontos a correr, apesar de continuar a não haver incentivos oficiais, a direção da Liga dá todo o seu apoio para que a criação nacional também tenha o seu destaque no mundo das corridas.

Esta prova do Campeonato Nacional da Liga foi organizada pelo Centro Equestre da Maia, com o apoio da Câmara Municipal da Maia e Junta de Freguesia de Nogueira e Silva Escura e ao abrigo do protocolo oficial firmado com a Direção Geral de Veterinária.

Todos os presentes e intervenientes diretos nesta reunião ficaram bastante satisfeitos, aqui ficam as suas declarações:

Bragança Fernandes, presidente da Câmara Municipal da Maia:

“É com agrado que eu estou aqui neste Grande Prémio de Portugal. O principal ainda não está feito, pois o Governo disse que ia lançar um concurso para a localização de três hipódromos a nível nacional, mas até hoje não o fez e estamos à espera, estão aqui investidores que vieram de França e de África e portugueses que querem investir mas querem saber qual é o Caderno de Encargos para poderem concorrer. Temos uma área de sessenta hectares pronta para isso, nós queremos que o Governo cumpra o que anunciou porque é muito fácil falar, mas depois pôr na pratica não. Queria dar os parabéns a todas as entidades que contribuiram para a realização deste grande prémio e em particular ao Manuel Armando, maiato de gema que inegavelmente há anos tenta mobilizar e desenvolver as corridas de cavalos na Maia. A Associação Nacional de Municípios Portugueses queria que fossem as autorquias a gerir as verbas geradas pelos jogos de fortuna e azar e estou de acordo com isso, porque os municípios é que estão perto dos eventos e não a grande distância como o Governo, a ANMP recomenda ao Governo, mas não tem poder executivo, o Governo promete, mas depois não cumpre”.

Ricardo Carvalho, presidente da Liga:

“O campeonato nacional, até ao momento, tem decorrido bem, apesar do número diminuído de hipódromos onde estamos a disputar o campeonato deste ano, temos tido algumas dificuldades devido à falta de apoios e à crise económica geral. Temos vários cavalos e jóqueis a correrem no estrangeiro o que nos dá grande alegria e força para continuarmos a tentar atingir o objetivo de fazer corridas com apostas em Portugal. Não sei porque é que os operadores das apostas online já em funcionamento ainda não pegaram nas apostas de cavalos online sobre corridas de cavalos no estrangeiro. A Liga mantém relações institucionais com o Governo, com a “Pari Mutuel Urbaine” e a Santa Casa da Misericórdia com o objetivo de introduzir as apostas mútuas hípicas sobre corridas feitas em Portugal. O fato de este ano o calendário de provas só estar a ser disputado em três hipódromos no norte prejudicou a divulgação das corridas no sul, por outro lado concentrou o número de concorrentes levando a provas mais animadas. Os dois hipódromos a sul que poderiam receber provas do campeonato nacional, Golegã e Alter do Chão, não têm os apoios financeiros necessários”.

Manuel Armando, director Nacional de Corridas:

“Em todos estes anos, no mundo das corridas de cavalos, este foi um dos melhores grandes prémios a que assisti, um bonito dia de sol, muito público a assistir, cerca de três mil pessoas, numa reunião dividida em três mangas de trote e quatro mangas de galope, com a inscrição de cerca de 50 cavalos nas duas categorias. Todas as provas foram muito bem disputadas, sempre muito concorridas, com o público muito animado a incentivar os concorrentes com a novidade do ecrã gigante que instalamos no hipódromo e que permite aos espectadores ter uma visão completa de cada prova e da entrega dos prémios. Inicialmente estavam inscritos para o Grande Prémio de Portugal de Galope doze cavalos, mas a Liga teve que fazer uma filtragem segundo o regulamento o que resultou no número final de seis concorrentes que reuniam todas as condições para poderem participar, entre elas o número de provas disputadas e classificações alcançadas durante o campeonato. O vencedor do Grande Prémio de Portugal de Galope, HONG KONG BOY, é um cavalo já lendário, pois já venceu vários grandes prêmios, inclusive no ano passado, fazendo assim a dobradinha, ainda por cima a jogar em casa pois a sua quadra é de origem maiata. Este cavalo tem como característica partir sempre detrás e ir controlando a corrida, desferindo o seu ataque final já na reta da meta, o que aumenta a emoção das provas. Marino Gomes é um jóquei muito conceituado, já foi considerado um dos dez melhores de Espanha e quando assim é, são jóqueis que além de trazerem a sua experiência para Portugal dão mais animação às provas. No trote atrelado, neste momento, estão a correr mais portugueses que espanhóis, o driver Fábio Fernandes e o cavalo VENDREDI DE LOISEL venceram o Grande Prémio de Portugal de Trote Atrelado, não era considerado como um dos favoritos e isso deu mais entusiasmo à prova, nesta corrida os concorrentes saíram todos juntos e andaram sempre muito agrupados, o vencedor só começou a passar para a frente a partir do meio da prova, altura em que já tinha a corrida controlada. Esta é a reunião mais importante do ano e é fruto do esforço financeiro e humano da Câmara Municipal da Maia e do Centro Equestre da Maia, sem os quais seria atualmente impossível realizar uma prova deste nível em Portugal e receber aqui representantes das maiores entidades nacionais e internacionais. Demonstra bem o interesse da autarquia maiata na construção a Norte de um dos três hipódromos previstos na legislação, que cremos será uma realidade a curto prazo, dado que é uma matéria já com quase duas décadas de estudo. Este ano haverá eleições para a Direção da Liga, gostaria de apelar aos sócios que fizessem uma reflexão e que todos aqueles que acham que podem contribuir para o desenvolvimento das corridas em Portugal se pronunciem, pois é importante que a Direção da Liga tenha pessoas que tragam ideias novas e que se formem mais listas concorrentes. A terminar gostaria de agradecer ao fantástico público e ao fairplay com que decorreram as provas”.

Marino Gomes, jóquei vencedor do Grande Prémio de Portugal de Galope:

“Repeti a vitória do ano passado com este mesmo cavalo, HONG KONG BOY, este cavalo já corre há muito tempo em Portugal e apesar de ter dez anos tem a mentalidade e a garra de um cavalo de dois anos, está em Portugal desde os três anos importado de França e é um cavalo que gosta de correr em pisos de terra e tem várias vitorias no estrangeiro. Nos últimos anos, quer aqui, quer em Espanha tem vencido várias provas e gosta muito de correr longas distâncias. Em Portugal, atualmente, tem um nível superior e já ganhou cinco grandes prémios, dois dos quais comigo. Apostamos numa carreira no estrangeiro, pois é um cavalo de grande qualidade e aproveitamos o seu potencial, pois as condições são melhores e os prémios muito atrativos e compensadores, mas como nos dá muita emoção correr na nossa casa sempre que podemos vimos a Portugal, pois correr o Grande Prémio de Portugal é uma honra. HONG KONG BOY é um cavalo com bastante caráter e é difícil controlá-lo na partida, deixo-o seguir o seu ritmo e vejo como a corrida se está a desenrolar para depois escolher a tática a adotar, fomos seguindo os cavalos que estavam à frente e na reta da meta atacamos para não mais sermos alcançados. O cavalo após a vitória do ano passado no grande prémio, como já tem alguma idade, deixamos descansar um bocado recomeçando no estrangeiro aos pouco em algumas corridas. Justamente para preparação para as provas mais importantes temos poupado o cavalo para que este esteja no seu topo nas provas mais importantes”.

Fábio Fernandes, vencedor do Grande Prémio de Portugal de Trote Atrelado:

“Não foi uma vitória difícil, o cavalo estava bem e em boa forma. Nos últimos metros antes de entrar para a última volta ataquei mais um bocadinho e o cavalo respondeu bem acabando por ganhar. O cavalo está em forma e ganhou de modo espetacular, nós preparamo-nos bem durante toda a época e fizemos um esforço adicional para o grande prémio. Estou muito contente com esta vitória”.

Bruno Sampaio vencedor da prova dos Puros-Sangues Ingleses de Origem Nacional:

Eu tenho cavalos de origem nacional que estão em crescimento e prontos a correr, como se pode verificar com esta vitória e que se querem mostrar mais. É importante que hajam mais corridas destinadas a cavalos nascidos e criados em Portugal, é essencial incentivar a criação nacional.

mini cavalo corridaPróxima Corrida

 

2016 11 13 Cartaz Maia sq